coloque aqui seu e-mail para receber as mensagens:

Kriya Yoga, uma Autopista Espiritual

Por Yogi Sarveshwarananda Giri


As escrituras iogues explicam que viemos do Infinito, da Bem-aventurança Suprema. Consequentemente, ao passarmos através das várias camadas – o mundo causal, o mundo astral e o mundo físico – adentramos este mundo, e vivemos e crescemos em Bem-aventurança para, finalmente, regressarmos à Bem-aventurança Suprema. 

Embora estejamos aqui apenas como viajantes para experimentar e aprender sobre essa nova forma de Bem-aventurança, não conseguimos viver dessa forma. Não vivemos em estado de plenitude, graça, libertação, de alegria infinita, e esse é o problema que todas as religiões enfrentam e procuram resolver.

Por que não podemos viver num estado puro, pleno, maravilhoso? 

Porque ao nascermos somos acometidos por uma enfermidade característica do mundo físico, chamada maya, que provoca uma espécie de amnésia espiritual de nossa consciência expandida, infinita e eterna. 

Maya é uma palavra sânscrita, que significa medir, dividir, categorizar… é como se passássemos através de um prisma e nos dividíssemos em pequenos egos diferentes e isolados. 

Deus nos concede diversos caminhos e formas para “curarmos” definitivamente esta amnésia espiritual e redescobrirmos a nossa natureza. Há caminhos mais tranqüilos, outros mais intensos, e há também o que poderíamos chamar de “autopistas espirituais”.

Nos anos trinta, o grande visionário e psicólogo Carl Jung descobriu o conceito dos chacras  por meio de livros de ioga e tantra. Após muitos anos de estudo declarou que a consciência humana ocidental não tem acesso aos chacras que estão acima do chacra do coração, o quarto chacra. De acordo com sua teoria, a consciência das coisas mais sutis se encontra majoritariamente no mundo oriental, por terem uma consciência mais inclinada à entrega e ao reconhecimento de Deus em todos os aspectos da vida. 

Foi precisamente na década de trinta que Paramahamsa Yogananda, o grande mestre espiritual e autor da Autobiografia de um Iogue, chegou aos Estados Unidos para difundir os ensinamentos do Ioga Kriya (Kriya Yoga). Yogananda percebeu que havia almas ocidentais que já estavam preparadas para trafegar pela autopista espiritual do Kriya Yoga. 

Com a prática desta técnica podemos concluir o processo de evolução espiritual em uma vida, alcançando o estado de observador, de testemunha desapegada, de entrega e instrumento. Estado que grandes sábios e santos descreveram e manifestaram ao longo da história: “Eu sou um lápis nas mãos de Deus e Deus está escrevendo seu capítulo através de mim” disse Madre Teresa de Calcutá; ou nas palavras de São Francisco: “Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz”. 

Eis aqui o paradoxo da aceleração espiritual: quanto mais aprendemos a desacelerar e acalmar nossos pensamentos, e a silenciar mais e mais a nossa mente, mais aceleramos nosso progresso espiritual.

Antigamente, na Índia, dizia-se que logo que um bebê nasce, ele chora koham-koham, que significa “Quem sou eu?” . E que o universo responde So’ham, “És o mesmo que Eu”. Kriya Yoga é a metodologia mais rápida e segura para levarmos a cabo este processo, que consiste em nos identificarmos novamente com Deus ou a Realidade Última.


Tradução: Camila Bogea

Sem comentários:

Enviar um comentário